bombinhas

Acordamos mais tarde que o despertador. A festa da noite anterior pesava em nossos olhos, mas nada que um plano traçado e um dia de sol não pudessem aliviar. Trocamos de roupa, arrumamos as mochilas e compramos um saco de pão de queijo na padaria. Em menos de uma hora, estávamos na estrada.

Há algo mágico em dirigir numa BR. As possibilidades são infinitas e despertam os sentimentos mais aventureiros: "vamos em frente e ver onde vai dar?". Basta pisar no acelerador para cruzarmos cidades, estados e países. Dessa vez, pegamos a saída 156, com destino a Bombinhas.

Na praia da Sepultura, corri direto pro mar. Desde criança não me sentia tão à vontade na água. De barriga pra cima, fechei os olhos e deixei levar. Tive medo de bater nas pedras, mas ignorei e boiei até chegar no raso. Fiquei ali uma eternidade: as ondas quebrando na cabeça e a areia entrando no biquíni. 

Almoçamos peixe e cerveja num restaurante na beira da praia da Tainha. Depois de comer, estendemos nossa canga na areia, à sombra de uma pedra. Deitado no meu colo, o Dudu dormiu em segundos. Tentei fazer o mesmo, mas estava muito viva para conseguir desligar. 

No fim da tarde, pegamos a estrada de volta. Chegamos em casa com os cabelos embaraçados, as bochechas queimadas e o maior sorriso que cabia no rosto. Foi um sábado daqueles pra guardar no coração - e reviver sempre que a vida cambalear. 

Algumas dicas:

  • Bombinhas é muito linda. Se estiver pensando em ir, vá!
  • Para entrar na cidade é preciso pagar uma taxa de preservação ambiental: 24 reais por carro, por dia.
  • São muitas opções de praias - desde perto da cidade e movimentadas, até mais afastadas e tranquilas. Como ficamos só um dia, escolhemos ir nas mais diferentes: da Sepultura e da Tainha. As duas são pequenas e cheias de charme. A água é super cristalina e muitas pessoas mergulham de snorkel.
  • Também são muitos os restaurantes. A gente foi no Porto da Tainha, um bar e petiscaria que fica na praia da Tainha. A comida é boa, mas o destaque vai pra localização: quase na areia.
  • Para apreciar a vista panorâmica do Canto Grande (duas praias que ficam uma de costas pra outra) há duas opções. A primeira é a trilha do Morro do Macaco, que dura cerca de 40 minutos e é bem inclinada. A segunda é o mirante Eco 360, que dá pra chegar de carro e custa 10 reais por pessoa. Por falta de tempo, optamos pelo mirante. A estrutura não vale o preço, mas a vista vale. É de suspirar.
  • Ainda quero voltar para fazer o passeio de barco até a ilha de Anhatomirim. Dizem que é lindo.
  • Apesar de muito turística, a cidade tem ruas estreitas e pouco estacionamento. Imagino que seja caótica no verão. Para quem mora perto, vale esperar a temporada passar. Estava bem vazio quando fomos.