matt corby

A gripe que me pegou no sábado de manhã deu seus primeiros sinais minutos antes de irmos pro show. Nunca tinha ouvido falar em Matt Corby, mas a Alice conhecia todas as músicas e disse que era um estilo calminho. Logo me imaginei sentada numa poltrona, num pequeno teatro, balançando a cabeça ao som suave do violão. "Ah, posso fazer isso gripada. Sem problemas!".

O show começava às seis da tarde, mas chegamos às cinco pra pegar um lugar na fila - na calçada. Fazia menos de 5°C, e, com a garganta já arranhando, me abriguei no Subway ao lado até os portões abrirem. Uma hora depois e nada. Enjoada do cheiro de sanduíche, fui perguntar o que estava acontecendo. "Só falta limpar a pista de dança" - me responderam.

Hein!? Pista de dança?

Na minha cabeça, saíram as poltronas e o ambiente acolhedor e entraram as luzes frenéticas e as pessoas suadas se esbarrando e derrubando cerveja. "Ai, será que tô bem o suficiente pra isso?", pensei - quase amarelando.

Mas a realidade não foi nenhuma das duas. Realmente não havia onde sentar, mas tampouco haviam luzes e pessoas suadas. O show foi tão tranquilo que dormi durante as bandas de abertura. Não porque eram monótonas, mas a gripe tinha piorado e já não aguentava ficar muito tempo em pé. Era isso ou ir embora. E, como queria muito assistir ao Matt Corby, me agachei num cantinho e dormi profundamente - enquanto a Alice e minha mãe estavam grudadas no palco.

Assim que ele começou a tocar, soube que tinha valido a pena. Não entendo muito de música, mas a dele me deixou tão feliz e em paz que esqueci da gripe. Fiquei ali, admirada com o poder da arte em despertar sentimentos nas pessoas. Isso até a hora em que minha visão começou a embaçar e achei melhor sair pra dar uma volta. Minha mãe ficou tão preocupada com meu sumiço que até entrou no palco (por engano!) pra me procurar - causando um leve agito na plateia. Mães... :)